Facebook

Coronavírus Itália, previstas 8000 infecções até 22 de março 

Se falharem as medidas de contenção na Itália, a região da Lombardia poderá chegar a 8 mil infectados,  até 22 de março. O convite a todos os cidadãos é que evitem sair de casa. 

Conforme divulgado, na última quinta-feira (05), são 2.251 casos positivos registrados, após exames de coronavírus, somente na Lombardia.

Destes, 1.169 pacientes estão hospitalizados, 244 estão em terapia intensiva e 98 estão mortos, mas os números devem crescer e as previsões preparadas pelos especialistas da unidade de crise e relatadas pelo jornal Corriere della Sera falam em 8 mil infecções, até 22 de março. Desses, 1.250 poderiam ser graves e 400 colocados em leitos de UTI.

Os dados foram calculados com base em modelos matemáticos e traçam o possível cenário, caso falhem as medidas do governo para conter o vírus. 

Medidas que afetam diretamente os cidadãos e que sugerem a todos fazer sacrifícios, entre crianças que ficam longe da escola, proibição de frequentar lugares lotados e convites para ficar em casa, especialmente em caso de febre.

Desde o início da epidemia na Itália e, principalmente na Lombardia, a região mais afetada, o número de casos vem aumentando diariamente, começando com a primeira infecção, descoberta na quinta-feira 20 de fevereiro. Já no dia seguinte, os casos positivos em Covid-19 subiram para 33. No final de fevereiro, as infecções aumentaram cada vez mais, passando para 403, em 27 de fevereiro, e para 615, no último dia do mês.  Em 1º de março, os casos com resultado positivo para o vírus foram 984. E em 2 de março, o limite de mil foi quebrado: 1.245, 27% a mais.

Entre as pessoas afetadas, segundo dados relatados pelo Corriere della Sera , 12% são profissionais de saúde. Além disso, 23% dos pacientes na "zona vermelha" eram positivos para Covid-19 na Lombardia e 77% no restante da região. À medida que os casos aumentam, os hospitais se enchem e vários departamentos são forçados a suspender suas atividades, a fim de estarem prontos para a possível chegada dos infectados. Desde o início da epidemia na Itália, de fato, o número de pessoas hospitalizadas em terapia intensiva aumentou de 77, em 24 de fevereiro, para 698, no início de março. E o mesmo vale para pacientes em terapia intensiva, que passaram de 21, em 24 de fevereiro, para 167, no início do mês.

Para impedir que os números cresçam e prejudiquem o sistema de saúde, todo cidadão deve fazer sua parte. Para isso, as autoridades recomendam o autoisolamento, em caso de sintomas, distância social (pelo menos um metro) e evitar locais lotados. (Redação www.oriundi.net – com informações do Il Giornale)