Facebook

Saiba o que é o Ferragosto e por que é comemorado 

Ferragosto, comemorado no dia 15 de agosto, dia que celebra a Assunção de Maria e um dos feriados mais importantes do calendário italiano.  

As origens romanas

O evento de verão mais amado na Itália leva o nome do fundador do Império Romano, Augusto (63 a.C - 14 d.C), e sua origem provém da frase latina Feriae Augusti (descanso de Augusto). O imperador teria concedido este dia como um momento de descanso, durante o qual se organizavam festas pagãs e celebrações com animais de carga (como burros e mulas) que eram liberados do trabalho e ornados com guirlandas e flores. 

As Feriae Augusti aglutinaram outras festividades previamente fixadas e conhecidas como Vinalia ristica, Nemoralia e Consualia: a última, dedicada a Conso, deus da terra e da fertilidade. Juntas, as festividades de intervalo do trabalho formaram um período conhecido como o Augustali, marcado por eventos recreativos, como corridas de cavalos. Uma tradição que hoje se encontra quase inalterada, ainda que com um dia de atraso, na celebração do Palio dell'Assunta, realizado em Siena no dia 16 de agosto de cada ano.

A adoção do feriado pela Igreja

O nome do antigo costume de Siena deriva da passagem do Ferragosto de festival exclusivamente pagão para o dia escolhido pela Igreja Católica para celebrar a Assunção de Maria. O dogma, proclamado pelo Papa Pio XII em 1 de novembro de 1950, observa que a mãe de Cristo "tendo completado o curso de sua vida terrena, foi assumida na glória celestial em alma e corpo". Segundo o Vaticano, esta ascensão ocorreu em 15 de agosto; e esta é a razão do "deslocamento" de quatorze dias da data oficial de Ferragosto, que originalmente era celebrada no primeiro dia do mês. 

A união do elemento sagrado com o secular tornou o Ferragosto uma verdadeira festa de preceito na qual os fiéis são obrigados a assistir à missa e a abster-se de atividades do trabalho. O evento também foi levado em grande consideração pelo regime fascista que, durante os anos no governo, fez o possível para organizar excursões populares. 

Recordam-se, em particular, os trens populares de Ferragosto cujos bilhetes tinham preços reduzidos, a fim de permitir que as classes menos favorecidas economicamente viajassem pela Itália e chegassem a resorts de férias. As ofertas eram limitadas de 13 a 15 de agosto e variavam entre as modalidades 24 horas e as que incluíam os três dias, com turnos máximos de até 200 quilômetros. 

Os pratos típicos de Ferragosto

A interrupção do trabalho permitia que as famílias se organizassem para ir à praia, aos lagos ou ao rio e preparassem almoços e piqueniques que seriam seguidos, nos anos 50, pelo famoso churrasco, o prato mais conhecido das tradições culinárias do Ferragosto, mas não o mais tradicional. "Em meados de agosto, nós comemos pombos assados", diz um velho ditado popular baseado, provavelmente, em uma antiga tradição nascida na Toscana. Hoje, o pombo assado é comido em quase toda a Itália: em Piacenza, é conhecida a variante da "bomba arrosto". É um prato que deve o seu nome ao molde em que era preparado no século XVII e que inclui uma bomba de arroz servida com carne de pombo, linguiça e cogumelos porcini. 

Entre outros pratos salgados do almoço de Ferragosto está o Pollo in umido coi peperoni, tradicional na mesa dos romanos e do Lazio em geral, que combina o sabor delicado do frango ensopado com o doce e forte dos pimentões. Das sobremesas destacam-se os biscoitos Margheritine di Stresa, que eram tradicionalmente oferecidos aos convidados pela Rainha Margherita, por ocasião das recepções de 15 de agosto da Casa Real, e os Biscotti di Mezz’Agosto, do costume contadino e produzidos a base de vinho e anis.