FABIO PORTA CANDIDATO PD

Mons. Viganò: A elite globalista falhou em seu ataque

Texto do jornalista italiano Cesare Sacchetti, autor do blog La Cruna Del Lago.

Monsenhor Carlo Maria Viganò volta a falar e desta vez o faz por ocasião do segundo festival de Filosofia realizado ontem em Veneza e dedicado à memória de Monsenhor Antonio Livi. Viganò durante a farsa pandêmica foi um ponto de referência para muitos católicos perdidos. Uma rocha à qual agarrar-se durante a tempestade que chocou o mundo inteiro e levantou ainda mais, se possível, a fumaça da apostasia no Vaticano. Enquanto o mundo caía vítima de um estrangulamento autoritário sem precedentes, por trás dos Muros do Vaticano não se condenava esse insano e criminal plano para instaurar uma ditadura mundial.

Pelo contrário, se havia alguém que estava pronto a tecer  louvores da Nova Ordem Mundial era Jorge Mario Bergoglio. Por outro lado, porém, se erguia calma e firme a voz de Monsenhor Viganò, que denunciava esse desígnio imperialista e denunciava os conspiradores que dele haviam participado, seja nas instituições civis seja nas eclesiásticas. Se muitas pessoas conseguiram preservar a própria fé, o devem provavelmente também a todos os esforços esforços feitos pelo ex-núncio apostólico nos Estados Unidos, que lutou constante e incansavelmente para manter viva a tradição da verdadeira Igreja Católica.

Nesta última carta, no entanto, Viganò aponta um novo elemento. O plano, assim como o haviam concebido os arquitetos de Davos e do Grupo Bilderberg, fracassou. O mundo não entrou em um domínio autoritário global como haviam desejado os homens mais influentes das esferas do globalismo. A farsa pandêmica interrompeu-se praticamente em todos os lugares. As restrições foram descartadas gradativamente, até mesmo na Itália, o País que sofreu o ataque mais feroz desses poderes devido à sua história e cultura inextricavelmente ligadas às raízes católicas e greco-romanas; raízes profundamente detestadas pelos ambientes maçônicos do momento, pois incorporam tudo o que a religião maçônica despreza.

O mundo entrou em uma nova fase que pode ser definida como desglobalização. Em vez de se concentrar em um plano supranacional, o poder está gradualmente retornando aos Estados nacionais. A consolidação dos BRICS e o desempenho dos Estados Unidos da globalização que começou na era Trump, e nunca parou, está fazendo retroceder o relógio da história. E Monsenhor capta essa mudança escrevendo sobre o "fracasso das elites" que viram suas intenções originais virarem fumaça.

São os mesmos membros do campo globalista que reconhecem sua derrota e reconhecem que a história agora tomou uma direção diferente. No entanto, Viganò nos exorta a usar esse período de silêncio para reconstruir o que foi destruído nas décadas anteriores. Uma vez que abandonamos o liberalismo que foi a causa do mundo sem valores que avançou desde o Vaticano II até alcançar o seu “apogeu” durante a operação terrorista do coronavírus – na qual assistimos a uma desumanização das instituições de saúde e políticas sem precedentes –, terá início aquele processo natural de reabilitação do país e das suas instituições. O golpe pandêmico só foi possível porque se criou um vácuo de valores, que, principalmente no caso da Itália, são os valores do catolicismo e da cultura da antiga Roma.

Se a Itália tivesse preservado sua religião, sua identidade, sua cultura e sua moral, tudo isso nunca teria acontecido. E esta é a lição que Viganò pede para tirar dos últimos dois anos. Arrepender-se dos erros e pecados cometidos e iniciar o caminho rumo a um gradual renascimento. E esse renascimento, observa Viganò, não pode deixar de passar por “colocar Deus no centro de nossa vida”. Uma vez empreendida esta jornada, "todo o resto virá por si mesmo". Monsenhor traçou o caminho. Tudo o que resta é segui-lo. Estas são as palavras completas de seu último discurso.

Discurso de Monesenhor Carlo Maria Viganò
No II Festival de Filosofia "Antonio Livi", sábado, 25 de junho de 2022.

Laqueus contritus est, 
Et nos liberati sumus.
 
Ps 123, 7.

Tenho o prazer de enviar minhas saudações aos participantes da segunda edição do Festival de Filosofia dedicado à querida memória de Dom Antonio Livi. A vossa presença neste dia mostra que os desejos formulados em Julho do ano passado começam a concretizar-se com o empenho e colaboração de muitas pessoas dispostas. A todos eles, bem como aos organizadores do Festival, o meu encorajamento e a certeza das minhas orações.

Esta minha reflexão - mais de dois anos após o início da grande farsa psicopandêmica e do golpe da Grande Reinicialização - não terá, no entanto, as conotações sombrias da minha intervenção anterior, e sim se baseará em uma avaliação de eventos que, para simplificar, poderíamos definir como realista, em um sentido positivo. Não é exatamente otimismo, pois isso exagera em positividade o que o pessimismo supera em negatividade. O realismo me parece mais correto e correspondente à verdade.

A primeira razão deste "realismo positivo" baseia-se na virtude teologal da Esperança: sabemos com filial confiança que o Senhor nos concede todos os meios necessários para merecer o Paraíso e que não nos expõe a nenhuma prova, exceto aquelas que com Sua Graça podemos vencer. A nossa pequena vitória sobre a tentação do pecado é uma vitória de Deus: omnia possum in eo qui me confortat, tudo posso naquele que me fortalece (Fl 4,13). Não se trata, portanto, de um sentimento humano baseado na ilusão, mas de uma consciência baseada na promessa do Salvador: sufficit tibi gratia mea, basta-vos a minha graça (2 Cor 12, 9).

O segundo motivo para olhar positivamente para o presente talvez seja mais subjetivo, mas na minha opinião não deve ser subestimado. Esses dois anos de delírio global nos mostraram a verdadeira face do adversário, revelando quem agiu por sede de poder, quem por lucro, quem seguindo um plano criminoso contra Deus e contra o homem. Sabemos bem que escandalosos conflitos de interesse espreitam no topo das autoridades; conhecemos bem aqueles que se venderam ao globalismo neomalthusiano, apoiando uma narrativa tão claramente falsa quanto delirante; tivemos todos bem presente, quem das cadeiras do Parlamento, das redações dos mídias, das Ordens profissionais, dos sindicatos e até das igrejas, se tornaram cúmplices de inúmeras violações dos direitos naturais, bem como responsáveis pela morte de milhões de pessoas em todo o mundo. E conhecemos pelo nome aqueles que com frio cinismo planejaram a pandemia para poder inocular um soro genético que compromete irreparavelmente o sistema imunológico, torna homens e mulheres estéreis, provoca abortos em mulheres grávidas e faz com que jovens morram de ataques cardíacos. Os horrores do nazismo e do comunismo empalidecem diante da crueldade impiedosa dos teóricos do despovoamento mundial, segundo os quais - Cingolani na cabeça - quatro bilhões de seres humanos deveriam ser eliminados. É impensável que tal crime, cometido em todos os lugares com as mesmas ações coordenadas e sob uma única fiscalização, fique impune. E se certamente será castigado pela mão do Altíssimo, diante de quem as vítimas da eugenia globalista clamam por justiça, é de esperar que também nesta terra os povos possam condenar os responsáveis a penas exemplares.

No ano passado nosso olhar era voltado com grande apreensão para a evolução dos acontecimentos, que seguiam de modo aparentemente indefectível a agenda dos globalistas do Fórum Econômico Mundial. Sempre mais pessoas entendiam que estavam diante de um plano - na verdade, vamos chamá-lo com o termo apropriado: uma conspiração - engendrado por conspiradores sem moral, mas elas se sentiam impotentes e sobrecarregados. Mesmo nós, embora tivéssemos muito claro desde o início o que estava acontecendo, tínhamos muitos motivos para temer um agravamento do regime ditatorial que se estabelecia. E a crise russo-ucraniana no início do ano parecia confirmar esse aumento. Recebemos a confirmação, há poucos dias, de ninguém menos que Bergoglio, que muito antes do início da operação militar russa na Ucrânia, a OTAN queria provocar a intervenção de Moscou para ter um pretexto para impor a transição ecológica, na sequência das sanções da comunidade internacional. A pandemia pelo controle social, a guerra e a crise econômica pela mudança verde, o crédito social, a abolição da propriedade privada, a renda universal.

Esses globalistas são tão previsíveis em seus delírios de dominação que despertam indignação naqueles que os ouvem falar de filantropia, enquanto exterminam, esterilizam ou adoecem cronicamente milhões de pessoas; solidariedade e justiça social, ao mesmo tempo que teorizam a exploração da mão-de-obra barata e provocam um desastroso aumento do desemprego; da ecologia, poluindo o planeta com bilhões de máscaras inúteis ou com as baterias de lítio dos carros elétricos. E se você notar, parece que eles exigem um ato de submissão de seus partidários, por quanto mais absurdas e ilógicas ou mesmo desdenhosas sejam as razões que eles dão para legitimar suas decisões, maior deve ser a abdicação da razão e a submissão servil da vontade nos assuntos.

Heterogênese dos fins: justamente aqueles que há décadas nos atordoam falando de liberdade, escolha consciente, direito de criticar, objeção de consciência e desobediência civil se mostram hoje zelosos executores das mais ridículas disposições sanitárias, das mais absurdas regras de higiene, da mais vil discriminação. E com a mesma obediência cega, os apóstolos do antifascismo hoje andam de mãos dadas com Pravij Sektor e o batalhão Azov, enquanto os esquerdistas que ontem denunciaram o imperialismo americano e a dependência da Itália da OTAN agora exaltam as habilidades de governo de um atorzinho viciado em cocaína escravizado para o estado profundo que aproveita símbolos neonazistas e celebra como heróis nacionais criminosos de guerra antissemitas.

Acredito que múltiplos elementos podem nos fazer acreditar que o assalto que a elite globalista havia planejado com a Agenda 2030 e o Grande Reset falhou. Isso não significa que a guerra está vencida, mas que a Providência se dignou a mudar o curso dos acontecimentos como se para nos dar uma última chance de arrependimento, uma oportunidade de reparar os erros e pecados cometidos e remediá-los. Certamente a pseudopandemia e a crise ucraniana levaram muitas almas a multiplicar suas orações e penitências, implorando a Deus uma trégua que permita à humanidade despertar da narcose em que está mergulhada há décadas, senão séculos.

O fracasso da elite é confirmado pelas admissões de muitos de seus expoentes, que já dão como certo o fim do globalismo. Os fanáticos que ainda tentam juntos manter o edifício psicopandêmico em ruínas não perceberam que seus chefes os estão deixando à própria sorte; outros, com o intuito típico dos cortesãos, apressam-se a reposicionar-se em vista da mudança de narrativa já improrrogável. Em breve se admitirá que a pandemia e a crise ucraniana fizeram parte de um plano subversivo global, realizado com a cumplicidade de líderes mundiais, governantes, chefes de estado, políticos, jornalistas, médicos, professores, magistrados, forças da ordem, clérigos.

Mas precisamente porque esta traição está agora conclamada; precisamente porque as mentiras espalhadas se revelaram em sua falsidade e pretexto; precisamente porque se compreendeu que é a atual autoridade que é irreparavelmente corrupta e corruptora, é de esperar uma reação desesperada, um retrocesso: porque eles não têm mais nada a perder, e sabem que aquilo o que não conseguem hoje com um último suspiro, eles não obterão amanhã, quando sua conspiração for universalmente conhecida e universalmente amaldiçoada.

Não é, como disse, uma vitória: é uma trégua que nos permite desempenhar o nosso papel no processo de reconstrução que nos espera a todos. Um processo que deve ser moral antes mesmo de ser material, do coração antes que da mente.

O colapso da sociedade global e o fim do falso bipolarismo de matriz revolucionária (direita/esquerda, EUA/URSS, liberalismo/socialismo, progressismo/conservadorismo) exigirá um compromisso coletivo, no qual o componente católico deve desempenhar um papel de liderança, de líder. Mas para ser protagonista, para competir na arena política, é preciso ter uma sólida formação religiosa, moral, intelectual e política. Tendo ideais, ideais santos e heróicos, animados pelo desejo de todos de se santificarem em qualquer área de sua vida, do estudo ao trabalho, da família ao compromisso social. E digo santificar-se, para agradar a Deus que para isso nos criou e nos fez à sua imagem e semelhança.

A sociedade deve ser restaurada à sua dimensão espiritual, curando a ferida secular infligida pelo secularismo, liberalismo e comunismo. Cristo Rei deve reinar sobre os italianos antes mesmo que da Itália. Os leigos católicos são chamados a dar testemunho de sua fé em duas frentes: uma social, reconstruindo o que foi destruído, restaurando o que foi deixado desmoronar. Escolas, universidades, profissões, ofícios. Uma herança de civilização intimamente cristã.

A outra frente deve ser a formação daqueles que servem à comunidade. Eduquemos nossos filhos para serem bons cristãos e bons cidadãos, bons pais e mães, trabalhadores honestos, exemplos de edificação para os outros. Ensinemo-nos a não se envergonhar de se professarem católicos e a não considerar uma desonra amar seu país. Formemos governantes que pensam no bem comum e não em sua própria vantagem; que cumpram seu dever sabendo que são responsáveis perante o Senhor.

E não esqueçamos quantos, nesses dois anos de loucura coletiva, não se curvaram aos ditames de uma autoridade subserviente à elite. Que seu exemplo seja um estímulo para os jovens, que precisam de modelos de consistência, e para a futura classe dominante, que será chamada para substituir esta geração de cortesãos temerosos e conspiradores covardes.

Em última análise, esta é a verdadeira mudança dos últimos meses: ter descoberto que progresso, fraternidade, inclusão, resiliência, sustentabilidade são apenas mentiras que por trás de uma aparência de solidariedade horizontal escondem um grande engano, uma fraude, um plano criminoso. Ter entendido que não pode haver fraternidade onde o Pai comum não é reconhecido; que não há solidariedade se não se ama a Deus e ao próximo por amor a Ele; que a verdadeira liberdade não é arbitrio nem licença, mas a faculdade de mover-se dentro dos limites do Bem; que o Estado, como sociedade composta por cidadãos chamados a ser filhos de Deus pelo Batismo, não pode professar-se ateia ou não-confessional, mas deve reconhecer publicamente a submissão da autoridade civil e de todos os seus membros à suprema Autoridade de Deus, e a essa conformar suas leis. Porque esta é a vontade de Deus: Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade do meu Pai que está nos céus. (Mt 7:21).

Coloquemos Deus no centro da nossa vida, no centro da família e da sociedade, no centro da Igreja. Todo o resto virá por si mesmo.

Leia aqui o artigo em italiano

SAIBA MAIS sobre CARLO MARIA VIGANÒ

[ASSISTA AO VÍDEO] Quem é Carlo Maria Viganò