FABIO PORTA CANDIDATO PD

Grafeno e Cérebro Humano: pesquisas de excelência na UE

"Grafeno" e "Cérebro Humano" foram as duas pesuisas eleitas em concurso promovido pela União Europeia (UE), dedicado à inovação tecnológica, em 2013. Foi anunciado, na ocasião, que os dois projetos receberiam um bilhão de euros cada em financiamento, ao longo de dez anos.

Leia, a seguir, traduzida para o português, a matéria publicada originalmente no site italiano do Istituto Superiore per la Protezione e la Ricerca Ambientale (ISPRA), em 2013.

No âmbito do programa Future and Emerging Technologies (FET), que há mais de vinte anos tem financiado e apoiado investigadores de toda a Europa para lançar as novas bases para as tecnologias de informação e comunicação (TIC), a União Europeia escolheu como vencedores de um concurso dois projetos dedicados à inovação tecnológica: "Cérebro Humano" e "Grafeno"

Os dois projetos receberão um financiamento de 1 bilhão de euros cada nos próximos dez anos, dos quais até 54 milhões de euros no âmbito do programa de trabalho de TIC de 2013 da Comissão e financiamento adicional de futuros programas-quadro para a investigação da UE, de parceiros privados, como universidades, Membro Estados e indústria. Cada uma das duas iniciativas-piloto envolve investigadores de, pelo menos, quinze Estados-Membros da UE e cerca de 200 institutos de investigação. 

O primeiro projeto vencedor, uma pesquisa conduzida pelo neurocientista Henry Markram do Instituto Federal Suíço de Tecnologia (EPFL) em Lausanne, diz respeito ao mapeamento do cérebro humano para estudar seu funcionamento e desenvolver tratamentos personalizados para doenças neurológicas e doenças relacionadas e o trabalho dos físicos Andre Geim e Konstantin Novoselov, o estudo do novo material do futuro, o grafeno, um material revolucionário à base de carbono. 

Em 2010 Konstantin Novoselov e Andre Geim obtiveram o Prêmio Nobel de Física, justamente por suas descobertas sobre as propriedades do grafeno, que é mais condutor que o cobre, 300 vezes mais forte que o aço e com propriedades ópticas particulares. O grafeno é o material mais fino do mundo, com espessura de apenas 0,3 nanômetro, e pode melhorar o desempenho de muitos produtos existentes no mercado. O sanduíche de grafeno, por exemplo, acaba sendo um semicondutor perfeito. No sanduíche de grafeno (duas camadas de grafeno e uma camada de nitreto de boro ou sulfeto de molibdênio no meio) é criada a 'lacuna de energia' que serve para transformar o material em um semicondutor. 

A estrutura em sanduíche abre novas perspectivas em energia fotovoltaica, bem como pode melhorar a eficiência dos painéis. Na Itália, o Conselho Nacional de Pesquisa (CNR) é um dos principais coordenadores da iniciativa e vai liderar as atividades dedicadas ao setor de energia e de materiais compósitos. De acordo com uma declaração da Vice-Presidente da Comissão Europeia, Neelie Kroes, para garantir a competitividade da Europa e garantir que continue a ser uma sede de excelência científica, os governos da UE terão de chegar a acordo sobre um orçamento ambicioso para o programa Horizonte 2020. Fonte: ISPRA – Leia a nota em italiano

O projeto "Grafeno" irá explorar e explorar as propriedades únicas de um material revolucionário à base de carbono. O grafeno é uma combinação de extração de propriedades físicas e químicas: é material mais sutil, é um condutor de eletricidade melhor do cobre, é 100-300 vezes mais resistente que o aço e possui propriedades ópticas extraordinárias. A utilização do grafeno foi possibilitada por investigadores europeus em 2004, e esta substância está destinada a tornar-se o material milagroso do século XXI, tal como o foram os plásticos no século XX, substituindo o silício em particular pelos produtos TIC.

Projeto "Grafeno": esse material parece destinado a se tornar tão importante no longo prazo quanto o aço ou o plástico. A pesquisa com grafeno é um exemplo de nanotecnologias translacionais emergentes, nas quais as descobertas em laboratórios acadêmicos estão se transferindo rapidamente para aplicações e produtos comerciais. O grafeno e materiais relacionados têm potencial para ter um forte impacto no setor de TIC a curto e longo prazo, integrando componentes baseados em grafeno com dispositivos eletrônicos baseados em silício e substituindo progressivamente o silício ou criando aplicações inteiramente novas. Além das TIC, a pesquisa com grafeno terá uma influência significativa nos setores de energia, transporte e saúde. (Leia a informação completa em Comunicato Stampa - Bruxelles, 28 gennaio 2013