FABIO PORTA CANDIDATO PD

Outono inverno Itália, racionamento de energia em 2022

O plano desenvolvido pelo Governo e em particular pelo Ministério da Transição Ecológica para tentar contrariar os efeitos do aumento do preço do gás inclui vários pontos. Entre estes, um dos mais transversais diz respeito às novas regras de funcionamento de sistemas de aquecimento em residências, escritórios, empresas e indústrias.

Em particular, as novas regras que regem o aquecimento dos edifícios diferem de acordo com as 6 zonas climáticas em que o território italiano está dividido com base nas temperaturas médias diárias. Logicamente, as áreas alpinas que são notoriamente mais frias durante os meses de outono e inverno estarão sujeitas a regulamentações mais flexíveis. Pelo contrário, as áreas do país onde o clima é mais temperado verão medidas mais rigorosas.

Quando se pode ligar o aquecimento e a quantos graus?

Uma das principais inovações introduzidas pelo Plano Nacional de contenção do consumo de gás natural é a que reduz em 15 dias o período de alimentação dos sistemas de aquecimento, adiando a data de ativação em 8 dias e antecipando a data de paragem em 7 dias. Além disso, os aquecedores devem ser mantidos em uma hora a menos por dia do que o esperado em anos anteriores.
Aqui estão as especificações de acordo com as seis zonas climáticas:

Zona A - A de temperaturas médias mais elevadas que inclui apenas algumas ilhas como Lampedusa e Linosa, os aquecedores podem ser mantidos até 5 horas por dia, de 8 de dezembro a 7 de março.

Zona B - Inclui apenas algumas ilhas e zonas costeiras da Sardenha, Sicília e Calábria, aquecendo no máximo 7 horas por dia, de 8 de dezembro a 23 de março. Abrange as cidades de Palermo, Reggio Calabria e Trapani.

Zona C - Entre as principais províncias desta zona estão Napoli, Latina, Caserta, Salerno, Bari, Brindisi, Benevento, Catanzaro, Cagliari, Lecce, Ragusa, Cosenza, e Taranto. Os aquecedores podem ser mantidos ligados por no máximo 9 horas por dia, de 22 de novembro a 23 de março.

Zona D - Inclui províncias como Roma, Lucca, Florença, Pisa, Ancona, Macerata, Pescara, Gênova, Pesaro, Viterbo, Avellino, Siena, Chieti, Foggia, Matera, Teramo e Vibo Valentia. Os aquecedores podem ser ligados por no máximo 11 horas por dia, de 8 de novembro a 7 de abril.

Zona E - Inclui várias áreas do norte e províncias como Alessandria, Aosta, Bergamo, Brescia, Como, Bolzano, Modena, Parma, Padova, Reggio Emilia, Rimini, Trieste, Gorizia, Piacenza, Ravenna, Venezia, Udine, Verona, Perugia, Rieti, Frosinone, Campobasso, L’Aquila e Potenza. O aquecimento pode ser mantido até 13 horas por dia, de 22 de outubro a 7 de abril.

Zona F – Trento e zonas alpinas; inclui resorts de montanha, como Courmayeur ou Bressanone, não há restrições.

Redução de 1 grau

Para além das indicações relativas às horas de acendimento, o Plano previsto pelo ministério prevê a redução de um grau para o aquecimento de estabelecimentos comerciais: 17 graus, com 2 graus de tolerância, pelo que um máximo de 19 graus de temperatura interior. Em edifícios residências, 19 graus, com 2 graus de tolerância, portanto com um máximo de 21 graus.

Globalmente, as regulamentações restritivas combinadas com a contenção voluntária dos cidadãos deverão conduzir a uma redução do consumo de gás natural na Itália estimada em 8,2 mil milhões de metros cúbicos.