FABIO PORTA CANDIDATO PD

Monsenhor Viganò: A pandemia e o Great Reset

"O que vemos acontecer corresponde a um projeto desumano de forças que odeiam não só a saúde do corpo, mas também e acima de tudo a salvação da alma."

TURIN, Itália,  (LifeSiteNews) - O arcebispo Carlo Maria Viganò dirigiu-se a manifestantes contra passaportes vacinais reunidos em uma praça em Torino no domingo (26/09), em uma mensagem de vídeo pré-gravada na qual ele denunciou o uso da pandemia por poderes superiores para provocar o Great Reset (Grande Reinício).

A mensagem de vídeo de 10 minutos do arcebispo Viganò foi  transmitida em uma tela gigante na Piazza Castello em Torino, onde os manifestantes contra o passaporte da vacina se reuniram para um “dia sem paura” (“dia sem medo”), no domingo. O ex-Núncio Apostólico nos Estados Unidos estabeleceu uma conexão entre a imposição do “passe verde” na Itália e o estabelecimento do Grande Reinício sobre o qual ele alertou em várias ocasiões.

Viganò começou expressando seu apoio às pessoas reunidas na praça Castello, bem como em muitas outras praças na Itália, e as parabenizou por sua determinação em resistir à “narrativa de mentiras” da grande mídia. Em seguida, denunciou o estabelecimento de uma ditadura da saúde da qual participaram leigos e clérigos: “É desconcertante ver como todas as forças políticas, incluindo aquelas que você poderia esperar que se opusessem ao estabelecimento desta ditadura da saúde, tornaram-se cúmplices de uma elite de conspiradores criminosos”, disse ele, “governantes, magistrados, forças policiais, médicos e cientistas, funcionários públicos e privados, jornalistas, mas também bispos e padres, e os próprios líderes do Vaticano ”.

Ele então reiterou sua afirmação de que a pandemia está sendo usada para provocar a Grande Restauração desejada pelas elites globalistas no Fórum Econômico Mundial em Davos. “Todos nós entendemos, eu acho, que a pandemia está sendo usada como um meio para realizar aquela Grande Reinicialização que foi planejada em detalhes por muitos anos”, disse ele. O mesmo sentimento foi  repetido  pelo cardeal Raymond Burke em um de seus sermões no ano passado.

Viganò explicou a conexão entre COVID e o Great Reset da seguinte maneira: “COVID tem sido fundamental para limitar as liberdades naturais dos cidadãos e estabelecer um regime orwelliano no qual cada um de nós é rastreado e controlado em todas as nossas atividades ...”

Mas o resto de seu discurso assumiu uma dimensão muito mais espiritual quando aludiu às forças sobrenaturais em ação na luta atual: “É preciso também ir mais fundo”, disse, “isto é, reconhecer que o que vemos acontecer corresponde a um projeto desumano de forças que odeiam não só a saúde do corpo, mas também e sobretudo a salvação dos alma."

O Arcebispo Viganò lembrou às pessoas reunidas na praça Castello que Deus os presenteou com uma alma imortal: “Cada um de vocês, cada um de nós tem uma alma imortal, criada por Deus e redimida por Nosso Senhor Jesus Cristo, com o sacrifício da Cruz”, disse ele.

LEIA TAMBÉM: Mons.Viganò: O Grande Reset e seus laços com a China

Ele então atribuiu a morte atual da humanidade à sua infidelidade passada aos mandamentos de Deus e aos muitos pecados dos homens, incluindo o crime de aborto: “Devemos reconhecer que, se chegamos a este ponto, devemos em grande parte à nossa própria infidelidade, a permitir que outros decidam por Deus o que é certo e o que não é”, disse ele, “a permitir, em nome de tolerância, o assassinato de crianças no útero, a morte de doentes e idosos, a degeneração da moralidade cristã e a corrupção de crianças e jovens. ”

O prelado italiano usou uma linguagem raramente ouvida da boca da atual hierarquia do Vaticano para condenar os males da sociedade moderna.

“O que vemos hoje é o fruto envenenado de décadas de dissolução, de rebelião contra a lei do Senhor, de pecados e vícios que clamam por vingança aos olhos de Deus”, continuou ele, acrescentando: “A Providência Divina está nos mostrando o que o mundo pode se tornar quando abandona o senhorio de Jesus Cristo e se coloca sob a escravidão de Satanás. ”

O arcebispo concluiu sua mensagem inspirando-se em um ex-papa: “Gostaria de fazer minhas as palavras de João Paulo II, que disse no início do seu pontificado em 1978: abri as portas a Cristo! Não tenha medo!" Viganò citou antes de exortar seus ouvintes a levar uma boa vida cristã. “Mas acima de tudo - eu te imploro, eu te imploro: voltemos a viver na graça de Deus, a frequentar os sacramentos, a praticar as virtudes, a ser bons cristãos, fiéis às promessas do nosso Baptismo e autênticas testemunhas de Cristo.”

A mensagem terminou com o arcebispo convidando os presentes a recitarem juntos o  Pai Nosso . 

O que se segue é a tradução da mensagem de Viganò do italiano:

Caros amigos,

Queridos irmãos e irmãs,

Permita-me unir-me a você para expressar minha proximidade espiritual a você e meu apoio. A sua presença nesta praça, e em muitas praças por toda a Itália, é a prova de que algumas pessoas ainda estão dispostas a usar sua própria inteligência e não têm intenção de abrir mão da liberdade.

Você está reunido mais uma vez para expressar sua determinação em resistir às decepções e à narrativa de mentiras propagadas pela grande mídia, a censura das plataformas de mídia social e da televisão, e o terrorismo sutil que o faria receber um soro de gene experimental que produz novos sérios efeitos colaterais todos os dias, alguns até letais, e se mostraram ineficazes para conter a pandemia.

Todos nós entendemos, eu acho, que esta pandemia está sendo usada como um meio para realizar aquela “Grande Reinicialização” que foi planejada em grandes detalhes por muitos anos. É desconcertante ver como todas as forças políticas, incluindo aquelas que você poderia esperar que se opusessem ao estabelecimento desta ditadura da saúde, se tornaram cúmplices de uma elite de conspiradores do crime.

Governantes, magistrados, forças policiais, médicos e cientistas, funcionários públicos e privados, jornalistas, mas também bispos e padres, e os próprios líderes do Vaticano: em todas as partes do mundo, todos seguem o mesmo roteiro, sob uma única direção.

Vimos até onde vai sua loucura ideológica: discriminar e criminalizar aqueles que optam por não fazer parte deste programa de experimentação em massa, que é movido por interesses econômicos massivos e por um plano anti-humano que também é fundamentalmente anticristo.

Mas se todos vocês estão cientes do absurdo e da gravidade absoluta do que tem acontecido no último ano e meio; se muitos de vocês entendem que a Covid tem sido fundamental para limitar as liberdades naturais dos cidadãos e estabelecer um regime orwelliano no qual cada um de nós é rastreado e controlado em todas as nossas atividades; é preciso também aprofundar, isto é, reconhecer que o que vemos acontecer corresponde a um projeto desumano de forças que odeiam não só a saúde do corpo, mas também e sobretudo a salvação da alma.

Cada um de vocês, cada um de nós, tem uma alma imortal, criada por Deus e redimida por Nosso Senhor Jesus Cristo com o sacrifício da Cruz. Por cada um de nós o Senhor derramou o Seu Sangue, e é nosso e teu dever guardar a tua alma imortal na Graça de Deus, seguindo os Seus Mandamentos e testemunhando com coragem da Fé, precisamente nas horas em que esta é tão seriamente ameaçada, mesmo por aqueles que atualmente governam a Igreja e que se aliaram ao Inimigo.

Devemos reconhecer que, se chegamos a este ponto, devemos em grande parte à nossa própria infidelidade, a deixar outros decidirem por Deus o que é certo e o que não é, a permitir, em nome da tolerância, o assassinato de crianças no ventre materno, a matança de enfermos e idosos, a degeneração da moral cristã e a corrupção de crianças e jovens.

O que vemos hoje é o fruto envenenado de décadas de dissolução, de rebelião contra a Lei do Senhor, de pecados e vícios que clamam por vingança aos olhos de Deus.

A Providência Divina está nos mostrando o que o mundo pode se tornar quando abandona o senhorio de Jesus Cristo e se coloca sob a escravidão de Satanás. Minhas palavras não são apocalípticas - como dizem alguns - mas uma severa advertência, de um Pastor da Igreja Católica, para retornar a Deus, para reconhecer que onde Cristo Rei e Maria não reinam, reina a cruel e implacável tirania de o diabo, em vez disso, que promete fraternidade universal aos homens, mas só quer nossa condenação.

Gostaria de fazer minhas as palavras que João Paulo II pronunciou no início do seu pontificado em 1978:

"Não tenha medo!  Abram, de fato, abram bem as portas para Cristo! Para seu poder salvador. Não tenha medo! Abram, de fato, abram bem as portas para Cristo! Jesus Cristo é Rei e Senhor da História, nas suas mãos estão as sinas e os destinos de cada um de nós, de todas as nações e da Santa Igreja. Ele não permitirá que sucumbamos ao ataque violento do inimigo da humanidade. Retornar! Voltemos todos a ele, com a confiança do filho pródigo que humildemente pede ao pai que o perdoe e que o receba de volta em sua casa. Voltemos a ser cristãos, orgulhosos de nossa fé e da civilização que a religião construiu ao longo de dois mil anos de história e da qual nossa querida pátria, a Itália, foi o berço. Voltemos a defender na vida civil e política aqueles valores inegociáveis ​​que hoje vemos negados e pisoteados. Mas acima de tudo - eu te imploro, eu te imploro: vamos voltar a viver na graça de Deus,

E para que este dia, em que manifestais publicamente e com coragem a vossa oposição à tirania iminente, não permaneça estéril e desprovido de luz sobrenatural, convido-vos a todos a recitarem comigo as palavras que o Senhor nos ensinou. Façamo-lo com fervor, com impulso de caridade, invocando a protecção de Nosso Senhor e de Sua Santíssima Mãe sobre todos nós, nas nossas famílias, na nossa pátria e no mundo inteiro:

Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome, venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. Dá-nos hoje, o nosso pão de cada dia, perdoa-nos as nossas dívidas, como perdoamos aos nossos devedores e não nos deixamos cair em tentação, mas livrai-nos do Mal. Um homem.

+ Carlo Maria Viganò, arcebispo

ASSISTA AQUI AO VÍDEO: Quem é Carlo Maria Viganò