FABIO PORTA CANDIDATO PD

Com os preços do gás nunca tão altos, indústria europeia começa a desacelerar

O índice de referência TTF atinge o recorde de 223 euros/megawatt hora. Alemanha e Itália testemunham queda na produção. Os desafios para o próximo governo: mais ajuda estrutural e mais hidrocarbonetos do exterior.

A crise do gás não sai de férias. Os preços continuam subindo, os fluxos da Rússia ainda reduzidos e no horizonte um inverno que pode se tornar dramático, especialmente para a Alemanha. 

Os alemães atingiram a meta de 75% de enchimento de estocagem, antes da data de 31 de agosto, e agora podem apontar para 90% até outubro. Mas a situação continua dramática: a seca reduziu os níveis do rio Reno, usado para transporte, a ponto de que o governo preparou um decreto dando prioridade ao transporte ferroviário de tudo o que for necessário para produzir eletricidade - em comparação com trens de passageiros - e que não pode mais ser transportado pelo rio. 

A produção industrial alemã caiu em relação ao ano anterior, em julho houve o menor consumo de gás, em relação à média dos cinco anos anteriores, atingindo 17%: superior ao que o novo plano de redução de consumo exigia (15%). Portanto, a segurança energética é paga pela Alemanha com a queda na produção, que se tornará mais acentuada na segunda parte do ano, quando o consumo de gás civil será adicionado ao industrial. A recessão está sobre nós.

De acordo com o programa europeu, a redução para a Itália terá que ser de 7%, mas ainda não há detalhes de como esse objetivo pode ser alcançado. O sentimento é que o governo italiano não pretende insistir muito sobre o corte no uso do gás, tendo em vista que os preços muito altos já estão deprimindo o consumo. 

De fato, no mês de julho, as entregas Snam (principal operador europeu no transporte e armazenamento de gás natural) para uso industrial apresentaram forte -13,2%, em relação ao mesmo mês de 2021. Nos primeiros sete meses deste ano, o declínio do consumo industrial em relação a 2021 foi superior a 9%. 

O setor civil também está em queda, em relação a 2021 (-5,7%), enquanto o consumo por geração de eletricidade aumentou mais de 6%. Assim, será sobretudo neste setor que se concentrarão os esforços de contenção do consumo, com a utilização massiva de carvão e provavelmente com algumas limitações para clientes interruptíveis.

Os estoques italianos estão 76% cheios, com a Snam procedendo em etapas forçadas, comprando gás spot todos os dias para injetar nos depósitos, a preços muito altos. O problema da escassez física (perspectiva para a Itália, atual para a Alemanha) neste mês de agosto se soma ao dos preços no atacado, que continuam subindo a níveis recordes. 

Ontem os futuros em TTF Gás (Title Transfer Facility ) para o mês de setembro fecharam a 223 €/MWh, o do 4º trimestre de 2022 a € 230,5/MWh, enquanto a eletricidade para 2023 na A Alemanha fechou a € 499/MWh e na França o quarto trimestre de 2022 foi negociado a € 1.031/MWh. Segundo a Gazprom, os preços do gás deverão voltar a subir, mesmo para além dos 400€/MWh.

Das primeiras estimativas, com estes preços, a atualização das tarifas para o quarto trimestre na Itália levaria a mais do dobro dos preços do gás, ultrapassando o limiar dos 2 euros por metro cúbico. Valores insustentáveis, tanto para as famílias como para as empresas. 

As contas que chegam aos consumidores nestes dias do mês de julho têm um preço do gás sete a oito vezes maior do que no ano passado. A ajuda alocada até agora pelo governo, no valor de cerca de 35 bilhões em um ano, alivia apenas parcialmente as dificuldades de muitas famílias e empresas.

Com as eleições de 25 de setembro, a atualização tarifária do último trimestre do ano ainda estará a cargo em governança dos assuntos atuais. Não há dúvida de que o primeiro, grande grão na mesa do novo governo, qualquer que seja a cor, será a da energia.
 
Hoje uma mudança de abordagem parece ser necessária e passar de impostos e "ajudas" inconstitucionais que reduzem as taxas do sistema e o IVA, mas não resolvem, para uma gestão mais corajosa da situação, nomeadamente em duas frentes.

A primeira é a dos auxílios estatais. A Alemanha e a França não hesitaram no passado e não hesitarão no futuro em fazer uso extensivo dessas ferramentas para empresas em dificuldade. No próximo inverno terão que fazê-lo novamente para não arriscar uma crise econômica ainda mais dramática do que o que aquela que já está no horizonte. Portanto, seria aconselhável que o novo governo italiano adotasse uma atitude pragmática e apoiasse todas as empresas em dificuldade e famílias com financiamento robusto, adotando um esquema claro e explícito de longo prazo, pelo menos até meados de 2023

A segunda frente é a do aumento da oferta. Mais do que na contenção da procura, uma abordagem defensiva que corre o risco de causar mais danos do que qualquer outra coisa é no aumento da disponibilidade de gás que se deve agir. Isso significa firmar outros acordos para novas importações de gás, mesmo além das necessidades nacionais, para tornar a Itália um ponto de entrada na Europa para o gás excedente, dar liquidez ao mercado e, consequentemente, preços mais baixos, estrangulados pela falta de gás russo. 

Também é necessário pressionar a Alemanha para finalizar contratos de compra de longo prazo com o Catar, abandonando o aplicativo conservador roccio que está prejudicando toda a Europa. O novo governo que nascerá depois das eleições terá muitos arquivos quentes em suas mãos. O energético, intimamente ligado ao econômico, é o mais urgente e exigirá atenção imediata, antes do grande golpe frio. (Fonte: La Verità, di Sergio Giraldo – 17/08/2022)