Facebook

Museu Arqueológico de Nápoles, um dos mais importantes da Europa

O Museu Arqueológico Nacional de Nápoles (MANN) é um dos mais antigos e importantes da Europa, em vista da riqueza e da singularidade do seu patrimônio, e talvez o mais importante do mundo, no que diz respeito à época romana. 

Horário: Aberto todos os dias (exceto às terças-feiras), das 9h às 19h30. O fechamento inicia às 19h. Quando a terça é feriado, o Museu adia o fechamento para a quarta-feira. Fechamento em períodos festivos: 25 de dezembro de 2018 e 1 de janeiro de 2019.

Preço: Inteiro 12,00 €. Reduzido: 6,00 €. Noite: € 2,00 às quintas-feiras, de junho a agosto. Fechamento ás 22h40. Gratuito para menores de 18 anos. Gratuito para todos, no primeiro domingo de cada mês.

Endereço: Napoli, Piazza Museo 19.

Transporte público: Metropolitana: Linha 1, parada Museu; Linha 2, parada Piazza Cavour.

Como surgiu o Museu Arqueológico Nacional de Nápoles

A origem e formação das suas coleções estão ligadas à política cultural de Carlo III di Borbone (Madri, 20 de janeiro de 1716 – Madri, 14 de dezembro de 1788), conquistador do Reino de Napoli, em 1734 – considerado a "mais bela hora" da história do napolitano. 

Carlo III supervisionou a construção do Museu Farnese, com a transferência da coleção herdada da mãe, Elisabetta Farnese, de Roma e Parma para Nápoles. Foi também quem promoveu a exploração das cidades de Pompéia e Herculano enterradas pela erupção de 79 d.C., em 1738 e em 1748, respectivamente. 

Entretanto, coube ao seu filho, Ferdinando IV, o projeto de reunir no atual edifício – antiga  "caserma di cavalleria", em 1585, e sede da universidade de Nápoles, de 1616 a 1777 - os dois núcleos da coleção Farnese e da reunião de achados vesuvianos que já se encontravam expostos no Museo Ercolanese, no interior do Reggia di Portici, palácio real situado em Portici, comuna localizada às portas de Nápoles.

As coleções do Museu, que se tornou Nacional em 1860, foram enriquecidas com a aquisição de achados de escavações nos locais da Campânia e do sul da Itália e coleções particulares. A transferência da Pinacoteca para Capodimonte em 1957 determinou a aparência atual do Museu Arqueológico.

A sede do Museu abriga em seu interior o Laboratório de Restauração, a Biblioteca e os Arquivos Históricos que representam, pela sua contribuição científica, pontos de excelência em nível internacional.

Áreas de exposições e coleções

No geral, o museu ocupa cerca de 18.500 metros quadrados, destes cerca de 8.550 são utilizados como áreas de exposição, divididos em cinco níveis: 

▪ Subsolo - Seção Egípcia e Seção Epígrafe

▪ Térreo - Seção Farnese

▪ Mezanino - Mosaicos, Gabinete Secreto, Numismática

▪ Primeiro andar – Seção de Afrescos, Bronzes, Pré-história, Templo de Isis e Villa dos Papiros 

▪ Segundo andar – Medalhas

As três principais seções são a coleção Farnese, com artefatos de Roma e arredores; as coleções de Pompéia, com achados da área do Vesúvio, e da coleção egípcia, basicamente de duas coleções privadas, Borgia (século XVIII) e Picchianti (século XIX), e inclui peças autênticas e muitos artefatos pseudo-egípcios provenientes de Pompeia e de outras cidades da Campânia.

A coleção Farnese abriga todos os achados arqueológicos reunidos desde o século XVI por Alessandro Farnese , futuro papa Paulo III . Obtida para compra ou para confisco de outras coleções menores, a coleção de Farnese foi consideravelmente enriquecida com as descobertas das escavações romanas. Com a extinção do ramo familiar, toda a coleção passou para Elisabetta Farnese , mãe de Carlos de Bourbon . A transferência para Nápoles das esculturas, no entanto, ocorreu apenas com Ferdinando IV em cerca de 1787.

A coleção de Pompéia inclui todos os artefatos encontrados em escavações Vesúvio: esculturas, mosaicos, Casa de Fauno , o gabinete secreto , afrescos, o templo de Isis, prata, marfim e cerâmica vidrada, cerâmica, bronze, vidro, plástico de Pompéia, a Villa dos Papiros, bustos de mármore e bronze, e outros achados.

A coleção Mosaicos – Casa de Fauno, localizada no mezanino, é dividida em duas partes. Por um lado, há a coleção de mosaicos a partir das escavações arqueológicas de Pompéia, Herculano e outras cidades antigas; o outro é referente a objetos e mosaicos encontrados especificamente na Casa do Fauno, em Pompéia. 

O Gabinete Secreto - assim chamado pelos Bourbons - mostra descobertas de afrescos e artefatos eróticos das escavações de Pompeia e Herculano. Completamente remodelado na década de 1990, a coleção foi finalmente aberta ao público em abril de 2000. O Gabinete ilustra amplamente os diversos aspectos da sexualidade antiga: do religioso ao cultural, da caricatura ao comercial, do mágico ao funerário, até o do amor e do prazer. 

O plástico de Pompéia é, na escala 1: 100, a aparência da cidade do Vesúvio desde o início das escavações até a Segunda Guerra Mundial, por vezes, constituindo a única documentação existente de suas estruturas e decorações nas áreas danificadas pela passagem do tempo ou desapareceram como resultado de eventos de guerra. Após contínuos deslocamentos entre Nápoles e Pompéia, foi desmembrado para guardá-lo e protegê-lo dos eventos da Segunda Guerra Mundial, para ser finalmente remontado e colocado no Museu em 1950.

A coleção Epígrafe é composta por mais de duas mil peças entre textos escritos em dialetos gregos, latinos e itálicos, e é também uma das mais importantes coleções, em termos de quantidade e qualidade. Aqui também, como para outras seções do museu, o setor é o resultado de várias coleções menores compradas ou doadas ao museu ao longo dos anos.

A coleção Numismática exibe peças que vão desde o período da Magna Grécia até moedas no Reino das Duas Sicílias. A seção inclui várias coleções, entre as quais se destacam as Borgia e as Farnese , que constituem o núcleo principal.

A coleção Egípcia é a mais antiga na Itália, e a segunda em importância – atrás do Museu de Turim. Em particular, de grande importância são as obras da coleção Borgia, formadas no final do século XVIII pelo Cardeal Stefano Borgi , herdeiro de uma coleção de objetos antigos encontrados em torno de Roma e Velletri, no Lazio.

A mais importante após Borgia é a coleção Picchianti, reunida durante uma expedição de seis anos (1819-1825) de Giuseppe Picchianti, um viajante do Vêneto que subiu o vale do Nilo até o deserto da Núbia, cruzando a sítios arqueológicos de maior interesse para colecionadores. A sua coleção inclui múmias, sarcófagos, vasos, objetos que fazem parte dos itens funerários, e também que atestam aspectos da vida cotidiana, como espelhos, cosméticos e sandálias.